Lula aparece de bengala em evento do BNDES

Alquebrado pelo tratamento contra o câncer na laringe, Lula adornou sua indumentária com um adereço novo. Compareceu a um seminário no BNDES, no Rio, escorando-se numa bengala.

 

Deve-se a adesão à peça, segundo a assessoria, à fraqueza de Lula. As sessões de químio e radioterapia, encerradas no final de março, roubaram-lhe 18 quilos, dos quais só recuperou uma parte.

 

Lula chegou ao auditório do BNDES acompanhado de Sérgio Cabral (PMDB). Tisnado pelos vídeos e fotos que desnudaram sua intimidade com Fernando Cavendish, dono da incômoda Delta, o governador do Rio pegou carona nos aplausos dirigidos a Lula.

 

Batizado de “Investindo na África: Oportunidades, desafios e Instrumentos para a Cooperação Econômica”, o seminário é parte do calendário de festejos dos 60 anos do BNDES. Afora a bengala, Lula exibiu à platéia outra novidade. Ao discursar, absteve-se do tradicional improviso. Ateve-se à leitura de um texto preparado pela assessoria.

 

Referiu-se ao continente africano como uma fronteira de oportunidades. Para ele, o Brasil deve achegar-se à África sem a pretensão de impor modelos. “Não queremos hegemonia, queremos parceria”, disse (a íntegra do discurso está disponível aqui).

 

Presidente do BNDES desde a gestão Lula, o economista Luciano Coutinho ecoou Lula. Instou os empresários presentes a abrir os olhos para uma África “repleto de oportunidades.”

 

Lembrou que, antes da crise global de 2008, o continente crescia a taxas de 6% ao ano. Para 2012, projeta-se um crescimento de 5,5%. Para os anos subsequentes, disse Coutinho, o potencial é 5%.

 

Lula aproveitou a oportunidade para reiterar as críticas à fórmula fiscal adotada pelas nações desenvolvidas da Europa para se contrapor à crise. Disse que premiam os “reais culpados” pela encrenca e punem as “vítimas”: “Os países ricos deram para o sistema financeiro todo o apoio, e para os mais pobres nenhum socorro.”

 

Terminado o seminário, Sérgio Cabral deixou a sede do BNDES por uma rota de fuga. Aguardava-o na saída reservada às autoridades uma equipe de reportagem. Para esquivar-se dos microfones, a autoridade maxima do Estado do Rio saiu por uma porta lateral.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s