“É muito barato matar um jornalista hoje no mundo”, diz líder de entidade

jimFolha – Os assassinatos por encomenda se tornaram uma ameaça maior à vida de jornalistas do que as guerras. O alerta é de Jim Boumelha, presidente da Federação Internacional dos Jornalistas (IFJ, na sigla em inglês).

 

Ele cobra ações dos governos para frear as mortes e acusa as Nações Unidas de não tomarem medidas práticas que ajudem a reforçar a segurança dos profissionais que cobrem conflitos.

 

Um relatório divulgado pela IFJ no último dia 31 informa que 121 jornalistas foram assassinados em 2012 no exercício da profissão ou em represália por seu trabalho. O ranking de mortes é liderado por Síria (35 casos) e Somália (18), que vivem conflitos armados.

 

O Brasil aparece em quinto lugar, com seis mortes – Eduardo Carvalho, do “Última Hora News” (MS); Valério Luiz, da rádio Jornal 820 (GO); o blogueiro Décio Sá (MA); Paulo Roberto Cardoso Rodrigues, do “Jornal da Praça” (MS); Mário Randolfo Marques Lopes, do “Vassouras na Net” (RJ); e Laécio de Souza, da Sucesso FM (BA). Está à frente de países que passaram por guerras como Iraque e Afeganistão.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s