Agnelo reprime líderes do sindicalismo policial

ImagemDesafiado por uma ‘operação tartaruga’ da Polícia Militar, o governador petista do Distrito Federal, Agnelo Queiroz, ensaia uma reação. Reuniu-se com a cúpula da segurança na noite passada. Na manhã desta sexta, 31, coordenou nova reunião, dessa vez no quartel general da PM. Ao final, o coronel Anderson Carlos de Castro Moura, comandante-geral da corporação, anunciou um lote de providências. Fez isso com um atraso de mais dois meses, já que a PM opera em marcha lenta desde outubro.

 

Eis o que ficou decidido: 1) Os líderes da ‘operação tartaruga’ responderão a inquéritos disciplinares. As punições vão de mera advertência à demissão. Por ora, identificaram-se cinco. 2) Os policiais militares trabalharão além do expediente até que seja “restabelecida a ordem”. Para assegurar a normalização dos serviços de segurança, vão às ruas também os oficiais da PM. 3) Quanto às reivindicações salariais da corporação, não ficou claro se o governo se dispõe a atendê-las.

 

Em meio às divergências entre a PM e o GDF, prolifera a violência na Capital da República. Neste primeiro mês de 2014, houve 68 homicídios. Somando-se os cinco latrocínios (roubos seguidos de morte), a pilha de cadáveres vai a 73.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s