Levy enaltece a fase FHC no discurso de posse

Josias de Sousa – Folha de S. Paulo

levy

O novo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, atribuiu ao trabalho de Fernando Henrique Cardoso, como auxiliar do presidente Itamar Franco e, depois, como sucessor dele no Planalto, o sucesso da administração Lula na distribuição de renda e no enfrentamento da crise financeira internacional de 2008. Em seu discurso de posse, Levy comparou o ajuste a ser feito neste início do segundo quadriênio de Dilma Rousseff ao esforço realizado na fase que antecedeu o lançamento do Plano Real, ainda sob Itamar.

Sem mencionar nomes, Levy disse o seguinte: “O reequilíbrio fiscal de 2015 e o cumprimento das metas em 2016 e 2017, como previsto na LDO [Lei de Diretrizes Orçamentárias] recém-aprovada, serão o fundamento de um novo ciclo de crescimento, assim como o ajuste nos gastos que antecedeu o Plano Real [gestão Itamar] foi talvez o menos falado, mas não menos importante fator do sucesso da estabilização monetária [governo FHC], que perdura até hoje, sob a eficaz vigilância do Banco Central do Brasil.”

Levy prosseguiu: “Assim também como a responsabilidade fiscal exercidata na primeira metade da década dos anos 2000 [gestões FHC e Lula] foi condição indispensável para o Brasil ter sucesso na política de inclusão social de milhões de brasileiros [administração Lula] e, pela primeira vez em sua história, poder conduzir uma política anticíclica eficaz, como fez em seguida à crise global de 2008 [governo Lula], em sintonia com o G20.”

Levy não disse senão um amontoado de obviedades. Mas o óbvio nunca foi tão necessário como na Brasília dos dias que correm. Hoje, com a vista embaçada por um tipo de vapor que só o embate político é capaz de produzir, os principais atores da Capital tropeçam no óbvio e, sem pedir desculpas, passam adiante. Não conseguem perceber que o óbvio é o óbvio. Assim, Levy fez muito bem ao proclamar o óbvio em seu discurso inaugural. Foi como se dissesse: “Eis o óbvio: o que nos trouxe até aqui foi um processo que atravessou vários governos. Para avançar, o primeiro passo é parar de ofender os fatos.”

Por falta de matéria-prima, o novo titular da Fazenda não teve como incluir o primeiro reinado de Dilma no trecho do discurso reservado às (poucas) referências positivas. Levy deixou tão claro quanto possível que chega para corrigir os erros cometidos nos últimos quatro anos. Sem eliminar direitos ou extinguir programas sociais, como exige a chefe, o Orçamento será lipoaspirado. Haverá ajustes de impostos. Cessarão os benefícios tributários. Os preços serão realinhados, eufemismo para aumentados. Em duas palavras: “A economia se transformará”.

Parafraseando Lula, a quem serviu como Secretário do Tesouro Nacional, Levy declarou na fase final do seu discurso: “Talvez nunca antes na nossa história, em períodos democráticos, houvéssemos tido a maturidade, como país, de fazer correções bem antes que uma crise econômica se instalasse.” Dito de outro modo: ainda há tempo para evitar o pior.

Nas palavras de Levy, “a economia brasileira tem bons fundamentos”. Ele arregaçou as mangas: “Estamos, sim, dispostos a implemtar as medidas necessárias.” Mas avisou: “Sem a ingenuidade das soluções fáceis.” Pareceu animado: “Vamos trabalhar com afinco na busca dos caminhos que pemitam ao Brasil prosseguir na rota do crescimento econômico.” Porém, como quem manda um recado para o alto, disse que o mais importante é “ter persistência para trilhá-los depois que os acharmos.”

A prioridade do governo é restabelecer a confiança de investidores nacionais e estrangeiros. E das agências de classificação de risco, que ameaçam rebaixar a nota do Brasil. Considerando-se que, nesse universo, Dilma virou o outro nome de desconfiança, não resta muita alternativa à presidente além de confiar num ministro que votou no seu adversário.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s